Beleza exterior

Posts Tagged ‘unhas

Todo mundo que é alguém no mundo da moda e da beauté (ha-ha-ha) fica sempre doido pra experimentar os esmaltes novos da Chanel, não é mesmo pessoaaal?

Nisso eu não sou nada diferente, acho todos lindos mesmo, dou o braço a torcer, que que tem? Então um dia, passando pela loja só dedicada a coisinhas de beleza da marca no shopping Iguatemi, decidi entrar e comprar um vidrinho e seja o que deus quiser do meu cartão. E aí fui ao salão no fim de semana seguinte e passei, ó:

A foto tá linda desse jeito porque foi tirada do celular. Mas a cor é exatamente essa!

Esse é o Riva. Gatinho? Sim. Mas nosso amor está abalado. Ele é raliiiiinho. Precisa de três – sim, eu disse três – camadas pra cobrir mais ou menos – sim, eu disse mais ou menos. Assim, você passa três camadas e ainda vê o branco da unha. Mas aí chega, né, é da fórmula do esmalte ser assim, superemos. Vamos nos apegar ao fato de que a cor é linda.

Então aí outro dia eu descobri o salão Lilac Nails, uma fofura que fica a duas quadras do trabalho. Onde, segundo me diziam, havia vidrinhos de diversas marcas-desejo, inclusive o amado idolatrado Black Pearl – que me deixou em dúvida na hora da compra-maluca. Fui lá. Pintei.

Agora sim, Chanel! Além de lindo, ele fica perfeito com duas camadas singelas. E assim, não é só um esmalte, é todo um conceito, todo um mistério acontecendo nas suas unhas. É preto? É verde? É cintilante? É metálico? Uau.* (Bem verdade que eu fiz a unha na sexta e hoje, segunda, já tá bem descascado. Bem verdade número 2 que descascou depois que eu saí de uma hora dentro da piscina.)

Enfim. Pras esmaltólatras de plantão que moram em São Paulo, corre lá, fica na Rua Leopoldo Couto de Magalhães Jr., 187, tel. 3078-7970

* Ou sei lá, vai ver isso tudo é meu inconsciente tentando justificar o preço do esmalte. Pode ser, não duvidem de nada, gente.
**Também passei o Pêche Nacrée nos pés (mesma coleção do Black Pearl, a “Les Perles de Chanel”), mas vou poupá-los dessa foto.

Anúncios

Com flash (estourada, dá pra ver bem o fundo azul) e sem flash, mais fiel porém escura

Primeiro, uma declaração: a-do-ro os nomes dos esmaltes da Eyeko. Tipo “Cosmic Polish”, “Vintage Polish”, “Nude Polish” etc. Eles meio que descrevem a cor mas são engraçadinhos. Enfim, acho fofo.

Falei aqui que chegou Eyeko no Brasil, na Drogaria Iguatemi e Sacks, né? Então, quando fui lá na Iguatemi, comprei alguns vidrinhos. E, na dúvida de qual escolher, olhei pro céu (oi pra quem mora em São Paulo e a-do-ra que não para de chover todos os dias) e fui com essa cor, o Rain Polish (te juro por deus que foi assim que eu escolhi! Hahahaha!).

No vidrinho diz que é uma cor “elegante”. Sei lá se é elegante, entende, eu acho ela meio fofinha, e tá naquela vibe azul que vocês sabem que eu adoro.

Ele é bem cremoso, e na primeira camada achei que ia manchar. Mas na segunda, já cobriu e ficou perfeito (mas é bem verdade que contei com a expertise de Ana, a super manicure do Itaim Bibi!). Está durando, até agora, super bem. Hoje, no quarto dia, só decidi passar uma cobertura transformadora do brilho (Reflexos Azulados) da Colorama, só pra mudar um pouquinho, mas ele não tinha lascado nada. Mais do que isso não poderei dizer, porque amanhã já troco de novo a cor!

As outras cores da Eyeko:

Ah, sim: Cada vidrinho está custando R$22,90 na Drogaria Iguatemi, ou R$24,90 na Sacks!

As cores candy – aquelas bem coloridas, que lembram cores da infância, meio em tom pastel, sabem como? – estão super em alta, já faz algum tempo. E tudo o que anda muito em alta, a gente já sabe logo: vai acabar nas unhas.

Então, eu aproveitei que essa é uma moda que, em termos de beleza eu gosto bastante (mais do que em moda, pra falar beeeem a verdade), e fiz uma pequenina seleção entre os meus vidros dos esmaltes que eu acho que dá pra adotar sem medo de ser criança feliz.

Eu pintei assim, lindo, um em cada unha, e sabe? Vou dizer que até gostei. Sairia assim na rua fácil, não fosse o fato de que fui eu mesma que fiz (cê jura, tá tão bem pintado!) e minha incrível habilidade me impede de fazer o mesmo na mão direita, fato que me obrigou a passar acetona em tudo tão logo terminei as fotos.

Os esmaltes que eu usei foram:

Da esquerda para a direita:
1- Encanto, Eliana. É um lavanda lindinho, uma das minhas cores favoritas. Bem cremoso e só ligeiramente chato de passar (a primeira vez que usei fez várias bolhinhas, mas isso a gente sabe que depende do dia e da pessoa, né?)
2- Cigarrette, Risqué, coleção Pop 4 You. Ele é fosco, mas eu passei um extrabrilho pra ornar com as outras unhas. Gostei especialmente porque ele seca bem rápido e bom, azul é sempre fofura.
3- Blow, Illamasqua. Amarelo pastel é vida, é amor, é carinho e afeição na ponta dos dedos, meu Brasil. Agora, se vocês querem a verdade sobre o preço e a cobertura dele, revisitem este post. Sem mais.
4- Água de Coco, Hits Specialittá. O mais legal é que eu simplesmente não sei se esse esmalte é verde-limão ou amarelo. Hahahahaha. Ficou manchadinho, mas vai saber se isso é culpa minha ou do esmalte, né. O importante é que a cor é sensacional e tudo o mais.
5- Gaivota, Impala. Cor de mulher fina, tipo um laranjinha-apagadinho-ligeiramente-terroso. Mas é muito, muito lindinha. Nunca usei na mão inteira porque tenho 80 vidros de esmalte, mas pretendo assim que tiver um compromisso que exija de mim seriedade e glamour ao mesmo tempo (ou seja, provavelmente nunca, porque seriedade? Não trabalhamos).
6- Essa é a base fortificante + extrabrilho que eu uso, a Double Duty, da Sally Hansen. É cara (não lembro quanto tenho alzheimer, mas comprei na Audrey, na Liberdade), mas tá só na metade, e eu uso só ela há um ano.

Essas são minhas indicações. E vocês, pretendem adotar algumas dessas cores nhami pro verão?

Pra compensar o post enorme daí debaixo, voltei com um post-express-estilo-curiosidade só pra mostrar as unhas da semana. Eu amei muito. Fiz de novo lá no Picnicdric (onde eu e Fabi já combinamos só voltar dentro de duas semanas porque não somos ricas estamos sem tempo).

Resolvi fazer uma inglesinha (que gente, eu sempre chamei de “francesinha colorida”, mas a Gisele é uma manicure antenada e me corrigiu, hahahahaha) e escolhi duas cores meio de sorvete: Nouvelle Vague e, para a pontinha, o rosinha Mistral, ambos da Chanel.

Ah, depois de passar, deu muita bolinha. Mas eu bem acho que não é culpa do esmalte, e sim do tanto de calor que estava fazendo em São Paulo. E aí a Gi passou um super top coat da Nars em cima e resolveu (médio, né, na foto dá pra ver um pouquinho das bolinhas, não dá? Não? Eu que sou neurótica? Então tá). Ah, sim, tenho uma reclamação. Segunda vez que uso Chanel na vida, segunda vez que descasca no terceiro dia. É lindo? É. É tendência? Aham. É ryqueza? Ô. Mas ó, Impala, tchy amo, tô voltando pra você.

Pra combinar, nos pés eu passei só o Mistral (neles, prefiro ser mais neutra, porque troco muito de cor nas mãos, sabe. Daí pode acontecer de de repente não ornar). Achei uma combinação moderna e ao mesmo tempo fofa. A Fabi também fez inglesinha, mas com um marrom de reflexos arroxeados (oi? A culpa não é minha que a cor era essa, não tô inventando. É o Paradoxal, da Chanel) e pontinha verde (Malibu Green, American Apparel). Olha que coisa linda (mais linda que a minha não-tô-com-inveja-não-tô-com-inveja-não-tô-com-inveja, repitam comigo esse mantra):

(Por Laura F.)

Uma coisa que eu já reparei que é super hábito de beleza comum entre várias mulheres – mesmo aquelas que não ligam muito, por exemplo, pra maquiagem – é ter sempre um creminho para as mãos por perto. Acho um costume ótimo, especialmente em dias como esses últimos, de tempo seco, que castigam a pele e deixam tudo bem ressecado. E porque acho bem feminino ter uma mão bem cuidada e macia sou machista? .

Eu tenho produtos que, nos últimos tempos, se tornaram meio queridinhos dessa minha rotina de hidratação. E comecei bem recentemente a dar mais atenção às unhas e cutículas também. Então, vim mostrar as coisinhas que eu uso e recomendo. São quatro:

À esquerda, creme da L’Occitane; à direita, Neutrogena

O creme maior é o Hidratante Anti-idade para as Mãos, da Neutrogena (numa pesquisa pela internet achei por R$23,50). Acho ele ótimo por alguns motivos. Um é o óbvio: ele é anti-idade (oi, 25+!). Nunca é demais prevenir, bla bla bla. Dois: tem FPS 30. É bem raro achar creme para as mãos com FPS, ainda mais tão alto. Mesmo assim ele não é nada oleoso. (Apesar de grossinho, é absorvido rapidamente pela pele.) O cheiro é ok, meio de sabonete, sei lá. Nada demais. Uso todos os dias antes de sair de casa.

O creme menorzinho é o Creme de Mãos Lavanda, da L’Occitane (R$37,00), que eu levo na bolsa, pra passar durante o dia. Ele é ótimo justamente por causa do tamanho, além de ser muito cheiroso (se você gosta de cheiro de lavanda, claro). Ele é mais “fininho”, mas também hidrata super bem. O tubinho menor é um amolecedor de cutículas da Dead Sea Cosmetics que eu uso só quando faço as unhas em casa (quase nunca, sou preguiçosa ocupada). É ok, sei lá, eu comprei porque tem um stand no shopping Ibirapuera que fica do lado do meu cabeleireiro e sempre que você passa lá o cara fica enfiando os cremes na sua cara e querendo testar em você. Mas o creme para o corpo dessa marca (um dia falo dele aqui) é muuuuito cheiroso, então valeu a pena. Hahahaha, oi, consumo consciente? Não trabalhamos.

À esquerda, creme da L’Occitane; à direita, Neutrogena

Finalmente, o último pote lá em cima, o pretinho, foi minha mais nova descoberta de beauté. Tem sido a salvação da lavoura das cutículas. Eu vi o Lemony Flutter, da Lush*, no Fabulous, e logo encomendei com a própria Vivian. Valeu cada um dos muitos centavos que ele custou, porque é tipo MUITO hidratante.

Uso toda noite antes de dormir (e às vezes, quando lembro ou não estou tipo duas horas atrasada, de manhã também) em todas as cutículas e vou falar a verdade: ele meio que faz uma meleca. Mas logo as cutículas ressecadas absorvem tudo e pronto, você dorme e acorda com as mãos macias e unhas como se estivessem recém-feitas.

Olha como é a textura dele:

Essa quantidade dá pra passar bastante em todas as cutículas

No potinho mesmo diz que você também pode passar em outras áreas ressecadas. Então eu super segui o conselho, e passo também nas cutículas do pé, no calcanhar, no joelho… Custa lá fora US$12.95, e dá pra comprar aqui por R$58,00 (eu sei, caro, né. Mas pensa que é um investimento. Ou pensa que eu sou louca, sei lá).

Ah: faltaram nas fotos duas coisas que eu deixo no trabalho: o creme de mãos da Kiehl’s, que não sei o preço, porque é uma amostra que ganhei (e não acho grandes coisas, então não pretendo comprar quando acabar) e a Cera Nutritiva Para Unhas e Cutículas da Granado (R$13,15) – que tem a mesma função do Lemony Flutter, e eu passo quando lembro, durante o dia (mas nem de longe ela é tão poderosa quanto, hein. Apesar de ser boa e custar um quarto do preço, claro).

(Por Laura F.)

*Eu sei que esse post foi extra-longo, mas uma última dúvida: por que, Deus, por que fecharam as lojas da Lush no Brasil? Que decisão empresarial mais idiota, cara. As mulheres aqui loucas pra se endividar e os caras fazem o quê? Fecham a loja de produtos naturais mais legal que existe. Pfff.

Picnicdric não é o nome de um esmalte, tá. É o nome do espaço mais legal da cidade para fazer as unhas – uma espécie de mini salão, que fica no andar de cima da loja da Adriana Barra, nos jardins. O que faz ele ser tão tão especial é que tudo é pensado nos mínimos (mínimos mesmo!) detalhes pra ser fofo e caprichado. É tudo lindo, gente: as cadeiras são estofadas com tecido estampado (a das manicures é de zebra!), a mesinha é de gnomo – hahahaha, juro –, a acetona é chique e não resseca a cutícula, os potinhos de creme e etc. ficam dentro de uma cestinha de piquenique. E ah: todos os esmaltes são importados, chiquérrimos e tem todas aquelas cores bafo que você só vê em foto, tipo Nouvelle Vague e Particuliére, da Chanel.

Os esmaltes ficam todos nessas casinhas de boneca estilo vitoriano

Os esmaltes ficam todos nessas casinhas de boneca estilo vitoriano

Quem faz as unhas das clientes lá é a Gisele Camargo, manicure fofa e mega competente. Eu e Fabi fomos lá ontem (sábado) e foi tudo uma delícia. A parte mais difícil é, sem dúvida, escolher a cor pra usar. Uma das vendedoras da loja inclusive achou uma solução ótima pra isso: pintou as unhas do pé uma de cada cor – e juro, ficou sensacional!

Depois de muita dúvida e dilema, conseguimos: eu fui de Orange Frizz, da Chanel, e Fabi usou um roxo lindo da Orly – cujo nome não anotamos, dã! Mas tenho certeza que é ou o Charged Up ou o Rio Nights (eles são muito parecidos! Hahaha)

Resumo da ópera: amamos os esmaltes, amamos o espaço , amamos o pão de queijo feito lá na hora com cafézinho, amamos a manicure da Gisele (e da Thamires, que estava ajudando naquele dia!). E vamos voltar. É mais caro do que uma manicure normal, sim, mas pra quem é meio maníaca por esmaltes (oi, eu!) vale a pena. Pelo menos de vez em quando.

Ah: peguei as fotos daqui (blog da Denize Barros, designer mais que incrível responsável por executar essa lindeza de espaço!). Recomendo entrar no link pra ver mais fotos fofas.

Picnicdric Nails Mini Spa & Afins: Al. Franca, 1243, Jardins, tel. (11) 2925-2300

Bom, depois de um longo e tenebroso inverno ausente, voltei. Não me abandonem, okay, minhas 10 leitoras. Vou melhorar, prometo.

Então, vim mostrar pra vocês meu esmalte de menininha da semana. Ele é da marca inglesa Illamasqua, e eu comprei pelo site por módicos dois rins e um fígado £13. Comprei junto uma outra cor, amarelinha, o Blow, da coleção Pastel Nails. E um blush em creme, que é incrível e já já vai aparecer por aqui. Então, ó, esse aqui é o Wink:

Acho que é uma cor que não tem similar no Brasil, não. Um lilás com fundo bem azulado (mais azulado que rosa) e bem pastel. Por isso, meio que considero que valeu a pena gastar meus órgãos dinheiros.*

Agora, antes de recomendar que você saiam por aí fazendo a louca da Illamasqua (que é uma marca que tá meio que ficando hype nesse mundinho iludido e sem noção da beauté – e sim, me incluo na parte iludida-sem-noção, okay), tenho algumas considerações. O esmalte é lindo, sim. Mas é difícil de passar. É grosso – o que, por outro lado, significa que ele cobre bem. Mas o chato MESMO é que ele marca muito. Tipo fica uns dois dias marcando quando você enfia a mão no fundo da bolsa pra procurar o celular. Meio chato, néam. Mas dá toda uma sensação de paz mão-com-cor-de-quarto-de-bebê-e-princesa que compensa.

(Por Laura F.)

*Ok, tô meio obcecada com esse recurso de escrever uma coisa e riscar em cima, acho que tem toda uma ironia embutida. Mas vou parar.


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 17 outros seguidores

Atualizações Twitter