Beleza exterior

Posts Tagged ‘M.A.C.

Uma das últimas coleções lançadas lá fora pela M.A.C foi a Fashion Flower, e ela tem um apelo muito claro: é fofa. Hahahahaha! Bom, eu acho, pelo menos, já que as sombras têm um desenho muito lindo. E, à primeira vista, parecem também ter cores incríveis.

Aí encomendei, na Fabulous Store, as duas sombras que mais chamaram minha atenção, a Groundcover (que eu diria que é tipo um marrom acinzentado) e a Bows & Curtseys, um preto muito lindo, brilhoso e de fundo esverdeado. Comprei também o batom Ever Hip, coral lindo que eu queria possuir desde que foi lançado com uma embalagem maravilhosa. É edição limitada e, bom, me contento com minha embalagem normalzinha.

Minhas primeiras impressões? Gente, as sombras da M.A.C têm cores incríveis, de fato, mas a qualidade é muito irregular. Tentei fazer swatch da Groundcover e ela é tão pouco pigmentada que simplesmente não rolou; no olho, com primer, fica melhor, apesar de muito sutil. A Bows & Curtseys é melhor, mas ainda assim dá uma falhadinha, e na pele praticamente não dá pra ver o fundo verde. Meio decepção, sabe como?

Já o batom não me decepcionou em nada. Deve ser um dos tons de coral mais lindos que eu tenho! É super pigmentado e tem um acabamento que eu adoro, o cremesheen (que não é opaco, ele tem um pouco de brilho e é bem cremoso). Eu não fiz swatch porque não sei usar luz pra isso, então olhem que lindo ele é na boca da Christine, do Temptalia (vale dizer que é um dos únicos swatches que, nos lábios dela, ficam de fato parecidos com a cor do batom em mim!):

Vale dizer: ela, que sabe muuuuuuuuito mais do que eu, também fez swatches das sombras e teve impressões muito melhores que as minhas. Ela achou as sombras bem pigmentadas! Olha só as cores:

Imagem: Temptalia

Imagens: minha mesmo e Temptalia

Foto: Divulgação

A coleção Cham Pale, que foi lançada pela M.A.C lá fora em dezembro, está chegando fresquinha agora ao Brasil. É um atraso apenas razoável – e acho que foi mais rápido do que muitas outras! Considerando que muitos dos produtos não são tendências passageiras, mas podem ser usados como fundamentos de maquiagem, acho bastante ok, e estou feliz por ela ter chegado, afinal!

I Get No Kick Eye Kohl e Chez Chez Lame Special Highlight Reserve Powder

No começo do ano, tive a oportunidade de já comprar dois produtos dessa coleção, em uma encomenda pra família que viajava de férias. Escolhi o I Get No Kick Eye Kohl – um lápis de olho – e o iluminador Chez Chez Lame. (Gente, e o tanto que meu irmão de 11 anos – oi, Gui! – se divertiu lendo esses nomes engraçadinhos de produtos na minha listinha de encomendas? Ficou semanas falando disso, hahahahaha!)

São dois produtos que seguem bem o que eu percebi como sendo uma tônica da coleção: brilhantes, porém neutros. Comoassim? Bom. Vou começar pelo lápis I Get No Kick. Ele é descrito como um “nude metálico” e, bom, acho que é isso mesmo que ele é. Talvez eu chamasse de “champanhe”, não de “nude” (quero dizer que ele aparece mais do que um “nude”, sabe?), mas detalhes. De qualquer forma, “champanhe” é uma das palavras fortes na descrição da coleção – tanto do “clima” dela quanto de suas cores.

Swatches na pele; à esquerda, o lápis bege Duda Molinos, para efeito de comparação - viu como o da M.A.C é mais brilhante?

Olha como ele fica nos olhos:

 

É legal pra usar na linha d’água, mas por ser levemente cintilante serve como iluminador embaixo da sobrancelha e no cantinho interno do olho! Isso é o que eu mais adoro nele! As olheiras, infelizmente, não têm jeito, só rezando muito.

O outro produto, que considero um dos mais especiais da coleção, é o Chez Chez Lame, um dos Special Reserve Highlight, que são iluminadores com essa textura diferentosa e chique. Essa cor é um dourado com leves (muito, muito leves mesmo!) brilhos prateados. Eu não vejo nada de glitter (diferente do Belightful!), e acho um brilho lindo. (Tem ainda outra cor, o Rosé Ole, que eles dizem que funciona para todos os tipos de pele, e é mais rosado.)

Se esforcem pra ver/entender a cor, gente, tirar foto de iluminador é uma tristeza:

(Ai, que montagem linda!) O swatch no dedo está bem forte. Claro que, esfumando, não fica assim.

A coleção tem ainda sombras, paint pots (que não comprei e me arrependi, vou acabar comprando por aqui a cor Dangerous Cuvée, um cinza metálico), batons (todos metálicos ou cintilantes, acabamento frost ou lustre), gloss, rímel e outros lápis (bege/nude e preto). Tudo isso deveria, segundo a assessoria da marca, estar disponível desde o dia 01 de abril nas lojas da M.A.C; fui a uma delas e nada. Mas me ligaram de lá hoje (eu não atendi, dã!), imagino que seja pra avisar que os produtos chegaram – então em breve deve estar na Sacks também, corrão!

Eu tinha prometido que ia fazer esse tutorial no vídeo desse post aqui. E, bom, eu sou meio enrolenta, mas não falhei: aqui está. Num momento oportuno, porque não quero nem ouvir falar de galera não sabendo se maquiar em 2011. Nem vem, gata, essa aqui é fáaaaacil de doer, e é só você ter duas ou três cores basiquinhas.

Eu vou usar esse quarteto da Chanel, o Kaska Beige (não sofram, usa qualquer cor parecida, gata!). Só deixo de fora a mais escura, porque minha ideia é um look pro dia. Também vocês podem ver que só tem dois pincéis: um pra passar a sombra (o 239, M.A.C) e um pra esfumar (o 224, também M.A.C).

Vamos lá, então, suas lindas:

Vou começar com um primer, porque essa sombra que eu usei é ryca, mas a pigmentação… quén-quén-quén. Não muito digna. Se a sua for suuuper ótima, pode pular essa fase, tá, tem problema não.

Usando a sombra média, que é um tom meio cobre claro, cubro a pálpebra móvel inteira (pincel 239).

Daí você pega o pincel gordinho (224), e usa a sombra média, que é um marrom muito clarinho. Esfuma no côncavo e acima dele, pra criar bem um sombreado leve. É um efeito que quase não se vê, mas que dá um super destaque aos olhos.

Apenas se quiser, use o mesmo pincel (dando uma limpadinha num lencinho ou nas costas das mãos mesmo) para pegar a sombra mais clara e iluminar o arco da sobrancelha.

O olho fica completo com lápis bege (Duda Molinos) na linha d’água, curvex (Shu Uemura) e rímel (Marvelous Mineral, Kiehl’s).

E o look final, com blush rosado (Fleur Power, M.A.C) e batom também rosado, mas meio cor de boca (Rouge Coco Mademoiselle, Chanel).

Mais uma maquiagem feita rapidissimamente com a paleta Naked, da Urban Decay. (Prometo que vou tentar ficar sem falar dela até o ano que vem, tá? Hahahaha) O bom desse look é que é muito fácil de copiar com quaisquer outras sombras (tem um duo da Vult que super rola, de rosa/roxo), além de ser prático, básico e ao mesmo tempo colorido. Nossa, quantas vantagens, não?

Usei essa make durante o dia, mas ela pode ser adaptada e, se você é discretinha, usada em eventos sociais de fim de ano, tipo aquela festinha da firrrrma, sabe?

  1. Paleta Naked, Urban Decay. Cores marcadas (1-pálpebra; 2-côncavo; 3-arco e canto interno)
  2. Studio Fix, M.A.C
  3. Corretivo Studio Sculpt, M.A.C
  4. Blush Fleur Power, M.A.C
  5. Batom Prolongwear Love Forever, M.A.C
  6. Rímel Colossal, Maybeline
  7. Pincéis M.A.C: 239 e 224

Fala sério, é pouca coisa, né? Dá pra fazer em 10 minutos – e com quaisquer cores, também, no mesmo esquema (cor clara na pálpebra, mais escura no côncavo, iluminadora no arco). Tentem e me contem o resultado?

Esses delineadores de nome pomposo são lançamentos da M.A.C na coleção Fabulous Felines (que chegou ao Brasil agora em novembro). Eu tinha visto na Temptalia, mas não dei tanta bola. Até que revi no Coisas de Diva e opa, que coisa linda.

Daí, né. Corri na Sack’s e comprei as cores Desires & Devices e Smoky Heir.

Com flash e sem flash. Que swatch bem feito, né mesmo? hahaha

A cor Desires & Devices é um tom ligeiramente verde-oliva, mas que tem brilhos em tom de ouro-velho. É uma cor muito difícil de descrever, mas certamente linda! A cor Smoky Heir é um roxo/lilás/ameixa (hahaha, eu sei, não consigo me decidir por um dos três termos), com brilhos roxos.

Eu comprei um pouco por impulso, é bem verdade. Mas a verdade é que eles são ótimos delineadores. O formato da ponta faz com que seja bem fácil fazer uma linha bem fininha (e olha que delinear é meu fraco!), e além disso eles duram muito, tipo mesmo se você lavar o olho, sabe.

Como eles são coloridos, comprei pra usar principalmente assim, só passando uma linha – que pode ser fina ou mais grossa –, sem sombra nem nada, pra dar uma cor nos looks diários. E estou amando! Ele dura o dia inteiro, e tem que esfregar bem com demaquilante pra sair. Além disso, se quiser usar pra complementar looks elaborados com sombra, dá também, porque ele não borra. Nas fotos, o Desires & Devices, em cima, complementei com lápis bege na linha d’água; já o Smoky Heir, embaixo, complementei com lápis azul-marinho. E dá pra inventar mil combinações.

(Nos dois links lá em cima tem mais cores. E amostradas de uma forma bem melhor. De nada.)

Olá, pessoas.
Pois é, apareceu a margarida… Final de ano em vida de professora é isso mesmo: correria total, completa e irrestrita. Se eu sobreviver a isso, o resto vai-que-vai…
Bom, mas vamos falar daquele assunto de que tanto gostamos, não é? Maquiagem.
Antes de começar, quero dizer que não esqueci minha promessa sobre um post falando de alergia a esmaltes e hipoalergênicos. Mas é que eu não pude fazer a unha esta semana e estou com alergia de alguma coisa (Ah, sério? Você, Ana Paula, com alergia? Não brinca…), por isso minha unhas estão terríveis e eu jamais teria coragem de assustar vocês fotografar.

Mas voltando ao que interessa, encomendei tem um tempinho umas coisinhas da coleção Venomous Villains, pareceria da M.A.C com a Disney. Confesso que fiquei, no início, muito mais empolgada com as embalagens mega fofas que com as cores dos produtos (Consumo consciente? Não trabalhamos!).


Mas é óbeveo que meu cartãozinho não se aguentou e arrematei umas preciosidades (Smeagol feelings).
 
Sombra Mineralize She who dares: É minha primeira sombra mineralize da M.A.C, sabe-se-lá-o-porquê. Ela é em tons de azul petróleo e verde musgo (Gente, não confiem muito nessa pessoa descrevendo cores, ok? Loira e disléxica…). Vou dizer que gostei, mas só. Não é a cor mais bonita de todos os tempos e, pra mim, brilha demais. Sei lá, eu tenho medo de sombra colorida (quando eu crescer vou ser igual à Laurinha com suas sombras lindonas, juro…).
Blush Bite of an apple: Esse é lindeza total. Sou suspeita, pois amo blushes, mas tem uma cor meio coral-avermelhado (lá vem ela com essa descrição meia-boca!). Enfim, é lindo, é rhyco, é blush…
Batom Hearthless (Amplified): Vermelão lindo de morrer. Com uma pegada meio vinho. Elegantérrimo. Amo batom vermelho.
Batom Toxic Tale (Satin): Coral mais lindo do mundo. Batom para dormir junto no verão.

Toxic Tale, Hearthless, She Who Dares (verde e azul), Bite of An Apple

Eu tentei fazer umas amostras de cores, mas não sei se fui muito feliz (relevem, vai… minha primeira tentativa). Mas prometo que, assim que usar as coisinhas, fotografo procês, tá?
Bom, people, é isso.
Beijinho,
Ana Paula

Pitaco da Lau: Gente, essa coleção é linda mesmo. Só tenho um comentário a fazer: também comprei o Toxic Tale, e aviso às meninas desesperadas para comprá-lo que ele é igualzinho ao Coral Polyp (que também foi edição limitada!). (Como seria bom eu ter percebido antes de comprar, né? pffff!). E invejo muito esse blush da Ana, se quebrar foi meu olho gordo, aviso já!

A base Studio Sculpt, da M.A.C, tem sido uma das queridinhas dos maquiadores da marca desde que foi lançada, em 2009. Em vários backstages de desfiles, ela substituiu a Face&Body, e andaram dizendo por aí que era a “base da pele perfeita”. Ok.

Ela é realmente bastante boa. A textura é diferente de todas as outras que eu já testei, e de todas as outras da marca: não é totalmente líquida, eu definiria como uma espécie de base cremosa. Apesar disso, não é pesada (a marca a define até como hidratante), e pode ser usada tranquilamente por meninas de pele oleosa, já que é à base de gel.

A minha cor é a NC40, mesma cor que uso no Studio Fix. Vale lembrar que as bases NC são recomendadas para quem tem a pele com fundo mais amarelado, e as NW para quem tem pele com fundo mais rosado.

A cobertura dessa base é bem alta. Ela quase chega a cobrir minhas olheiras, como vocês vão ver nas fotos ma-ra-vi-lho-sas e sem nenhuma dignidade mais abaixo. Cobre bem vermelhidões e imperfeições, mas sem deixar a pele totalmente opaca. Apesar de ser uma cobertura alta, ainda é um acabamento natural, sabem como? Acetinado.

Esse pouquinho é suficiente para cobrir quase o rosto inteiro. Eu uso com pincel de base tradicional (o da foto lá em cima), mas é preciso tomar cuidado para o rosto não ficar com as marcas das cerdas do pincel, já que a base é mais grossinha. Recomendo até, de repente, usar um duo-fiber ou pincel de pó para fazer o acabamento depois de passar a base com ele.

Depois de usá-la, costumo finalizar a zona “T” com um pouco de pó e, assim, a pele se mantém digna por váaaaarias horas. E a Studio Sculpt não transfere nadica de nada, o que é ótimo, porque esse é um dos meus maiores pânicos em relação a bases.

Agora, para entender bem a cobertura, vejam abaixo as fotos da minha pele sem nada, depois as fotos com a base. É favor não reparar na cara no cabelo de louca, as fotos foram tiradas às 9 da manhã, eu ainda estava com sono.

Gente, na segunda foto eu pareço até mais humana, né não?

Ah, sim: tem post sobre o corretivo Studio Sculpt aqui.


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 17 outros seguidores

Atualizações Twitter