Beleza exterior

Posts Tagged ‘compras

A gente vive lendo sobre a maravilha que são as farmácias nos Estados Unidos, e desejando que todas as brasileiras fossem da mesma forma. Daí que, lendo esse (ótimo) post, fiquei pensando na Drogaria Iguatemi, aqui em São Paulo, onde, por acaso, fui ontem.

Então, esse post é só uma dica muuuito rápida. Para quem gosta de cosméticos – e está em São Paulo, porque infelizmente só tem aqui mesmo, e nem faz vendas online, o que aliás considero um atraso de vida – a Drogaria Iguatemi é o equivalente às maravilhosas e deliciosas farmácias americanas, acho eu. Com o lamentável diferencial brasileirinho de que, claro, as coisas são bem mais caras, né.

Passei lá ontem, e eles deram uma reformada. Fazia alguns meses que eu não ia (pelo que andei lendo, desde julho, que foi quando inauguraram a loja nova! Hahaha), e além de chegar marcas novas – tipo Eyeko, gente, olha que coisa linda? Vou fazer post sobre isso! – eles estão com o estoque bem completo em coisas de cabelo, unhas, cremes etc. etc., e ficou tudo mais organizado, sabe. Tipo delícia de comprar lá mesmo.

Entre as marcas que dá pra encontrar lá tem: John Frieda (adoro os xampus e já falei aqui do spray de volume); Osis+ (to doida pra experimentar o Dust It); Schwarzkopf (meu irmãozinho pediu pra eu dizer que esse nome significa cabeça preta) [todas de cabelo]; Revlon; Bourjois; Eyeko; Art Deco; Duda Molinos; Milani; Kryolan [maquiagem]; Tweezerman [pinças, curvex e outros acessórios]; La Roche-Posay; Avéne; Biotherm [cremes, águas termais e tratamentos]. Em esmaltes, tem Orly, Hits, Big Universo, entre outras que eu já falei aí em cima e também vendem esmaltes.

E assim, além disso tem várias outras coisinhas fofas, é uma coisa de ficar fuçando mesmo. Não vou dizer que eu vou lá fazer compras todo mês, porque né, como eu disse: é caro. Mas o que vou dizer é que a Drogaria Iguatemi faz aquela coisa de ver as novidades da farmácia finalmente parar de ser coisa só de hipocondríaco.

Ah, sim: a Drogaria Iguatemi tem filiais no shopping Iguatemi (cê jura?!) e Market Place (mas nunca fui nessa última, não sei como é!).

E gente, acabei de ver que eles têm um blog, passa lá!

P.S.: ah, sim, pra quem fica curiosa: comprei rímel e esmaltes Eyeko, água termal Avéne, xampu John Frieda, uma canetinha hidratante de cutículas, esmaltes Art Deco e Hits… E ah, remédios, porque né, é uma farmácia. hahahahaha

Anúncios

Olá, pessoas.
Pois é, apareceu a margarida… Final de ano em vida de professora é isso mesmo: correria total, completa e irrestrita. Se eu sobreviver a isso, o resto vai-que-vai…
Bom, mas vamos falar daquele assunto de que tanto gostamos, não é? Maquiagem.
Antes de começar, quero dizer que não esqueci minha promessa sobre um post falando de alergia a esmaltes e hipoalergênicos. Mas é que eu não pude fazer a unha esta semana e estou com alergia de alguma coisa (Ah, sério? Você, Ana Paula, com alergia? Não brinca…), por isso minha unhas estão terríveis e eu jamais teria coragem de assustar vocês fotografar.

Mas voltando ao que interessa, encomendei tem um tempinho umas coisinhas da coleção Venomous Villains, pareceria da M.A.C com a Disney. Confesso que fiquei, no início, muito mais empolgada com as embalagens mega fofas que com as cores dos produtos (Consumo consciente? Não trabalhamos!).


Mas é óbeveo que meu cartãozinho não se aguentou e arrematei umas preciosidades (Smeagol feelings).
 
Sombra Mineralize She who dares: É minha primeira sombra mineralize da M.A.C, sabe-se-lá-o-porquê. Ela é em tons de azul petróleo e verde musgo (Gente, não confiem muito nessa pessoa descrevendo cores, ok? Loira e disléxica…). Vou dizer que gostei, mas só. Não é a cor mais bonita de todos os tempos e, pra mim, brilha demais. Sei lá, eu tenho medo de sombra colorida (quando eu crescer vou ser igual à Laurinha com suas sombras lindonas, juro…).
Blush Bite of an apple: Esse é lindeza total. Sou suspeita, pois amo blushes, mas tem uma cor meio coral-avermelhado (lá vem ela com essa descrição meia-boca!). Enfim, é lindo, é rhyco, é blush…
Batom Hearthless (Amplified): Vermelão lindo de morrer. Com uma pegada meio vinho. Elegantérrimo. Amo batom vermelho.
Batom Toxic Tale (Satin): Coral mais lindo do mundo. Batom para dormir junto no verão.

Toxic Tale, Hearthless, She Who Dares (verde e azul), Bite of An Apple

Eu tentei fazer umas amostras de cores, mas não sei se fui muito feliz (relevem, vai… minha primeira tentativa). Mas prometo que, assim que usar as coisinhas, fotografo procês, tá?
Bom, people, é isso.
Beijinho,
Ana Paula

Pitaco da Lau: Gente, essa coleção é linda mesmo. Só tenho um comentário a fazer: também comprei o Toxic Tale, e aviso às meninas desesperadas para comprá-lo que ele é igualzinho ao Coral Polyp (que também foi edição limitada!). (Como seria bom eu ter percebido antes de comprar, né? pffff!). E invejo muito esse blush da Ana, se quebrar foi meu olho gordo, aviso já!

Quando eu digo para minhas amigas que 90% das minhas compras de maquiagem são feitas virtualmente e em sites internacionais, elas ficam surpresas. Porque parece que, tradicionalmente, maquiagem, não é uma coisa que pensamos em comprar dessa forma; as compras virtuais acabam ficando restritas a livros, CDs (alguém mais ainda compra CD? hahaha), até eletrônicos… Mas maquiagem? Xampu?!

Não vejo por que estranhar, já que, em contrapartida, estamos suuuper acostumadas a comprar em revistinhas de Natura e Avon, por exemplo. Se o problema é não ver o produto, dá na mesma, né? Com uma diferença: o advento de blogs e fóruns de beleza aumentou a consciência sobre o quê estamos comprando. A gente aprendeu a pesquisar, ver resenhas, swatches, opiniões a favor e contra… Você não entra lá num site e compra um treco só porque acha que é bonitinho. E fala a verdade, várias vezes, nas revistinhas, é isso que a gente faz.

Então, vim aqui hoje tentar dar uma destrinchada nesse processo de compras virtuais internacionais, ou pelo menos em como ele tem funcionado – bem – pra mim.

Vantagens

A grande beleza que eu vejo nisso nem é tanto comprar produtos mais baratos; é comprar produtos que não estão disponíveis mesmo no Brasil. Então, coloque aí na lista marcas como Benefit, Frederic Fekkai, Nars, Urban Decay, Illamasqua; além de edições limitadas da M.A.C , Chanel, etc. etc. etc. ad infinitum até onde seu cartão permitir.

Claro que, no fim, muitas vezes você acaba comprando coisas que sim, dava pra comprar aqui, por um preço mais barato. Por exemplo, vamos comparar um produto-desejo-luxo: no Strawberrynet, a base Teint Resist, da Yves Saint-Laurent custa R$111,00. Eu comprei no Brasil, numa perfumaria do Shopping Paulista, por cerca de R$215,00, mesmo preço da Sacks. Por que eu fiz isso? Porque não quis esperar e tive um impulso, simplesmente. Nesse caso, vai da sua paciência, do seu julgamento e do seu garimpo virtual.

Desvantagens

A grande desvantagem de comprar online-internacional é o medo. Explico: Sua compra pode, sim, extraviar (comigo nunca aconteceu); pode, sim, ser taxada pela Receita, ao chegar no país e passar pela Anvisa. Isso acontece com mais frequência com compras que passam de US$50. Mas pode acontecer com compras que custaram… R$40 reais, como foi o caso da Bárbara (leiam aqui o post dela!). E nem sempre eles vão cobrar de taxa os 60% estimados sobre o valor que você de fato pagou.

Eu acabei de passar por isso, pela primeira vez. Fiz uma compra no Strawberry, de produtos para cabelo – coincidentemente ou não, pela primeira vez escolhi um frete pago e com rastreio, ao invés do grátis e sem rastreio – que custou cerca de R$130, já com o frete. E, quando chegou, fui taxada em R$101. 60% seriam R$78, né? Mas não foi. O que mostra que o que vale é o julgamento deles.

Mas a verdade é que quase sempre nada acontece. Veja que essa deve ser tipo minha vigésima compra em dois anos, e só agora fui taxada. No mesmo mês fiz outras duas compras, sem problemas. Logo, calculo que vale a pena, sim. Especialmente se você e/ou sua família não viajam sempre pra fora. Sou uma fervorosa incentivadora de compras virtuais em sites internacionais, e por isso vou contar…

…As lojas que eu indico!

Eu tenho algumas – não muitas, na verdade – lojas em que costumo comprar regularmente. Uma delas é a Cherrie Cosmetics, da Vivi e da Bruna, brasileiras que moram nos Estados Unidos. Elas já encomendaram para mim coisas incríveis que eu queria muito, como a paleta Naked, da Urban Decay, são atenciosas, o site é organizado, enfim.

Pra comprar M.A.C, especialmente coleções passadas, ou achar pechinchas, vá na Brigette’s Boutique. Alguns preços são realmente baratos, como sei lá, um quarteto da Lâncome por US$5,50. Não entendo como, mas é esse o preço, eu já comprei, e as coisas são originais. (Diferentemente da All Cosmetics Wholesale, onde eu também já comprei e me ferrei recebendo um batom falsificado. Leiam esse post sobre isso pra não comprar lá.)

Finalmente, o Strawberry, carinhosamente chamado na blogosfera de Morangão, um dos mais famosos. Fica em Hong Kong, tem várias marcas e fico sempre de olho pra ver o que entra em estoque. Às vezes rolam produtos ótimos, mas em cores meio blé, sabe? Mas às vezes você encontra ofertas maravilhosas de coisas que você realmente quer. Eles têm frete grátis e teoricamente devolvem seu dinheiro se você for taxado. Eu não concordo em pedir esse valor, apesar de eles oferecerem – e isso já foi motivo de muita polêmica, até por eles terem aumentado os preços em reais graças a isso. Enfim. Eu fui taxada e fiquei quieta, achei mais justo.

Outra opção, se você não tem cartão internacional, são as meninas que moram por aqui mesmo e trazem produtos sob encomenda. Já comprei com a Dani Pinheiro e, mais recentemente, com a Mafê, do Fashion Import, uma fofa. Tudo deu sempre muito certo.

E, finalmente, os sites de marcas que entregam aqui. Eu pessoalmente só comprei na Illamasqua, mas tem também a Benefit, que quero muito testar (e deve ter outras, só não me lembro, se você lembra, comente aí!)

E vocês meninas? Compram sempre em sites internacionais? Ou ainda não?

Daí, na febre de batom em que eu estou, fui passear inocentemente pelo Morangão, esse site que não é de Deus, e encontrei uma coisa que eu queria testar há tempos: o batom Rouge G, da Guerlain. Eu tava curiosa porque minha deusa ídola, a Christine, do Temptalia, adora, daí, né, pensei: “ela é chique e sabida, já experimentou todas as maquiagens do mundo, se ela gosta desse treco, deve ser bom”. Então comprei, por módicos (NOT) R$88,50. Enfim, na Sack’s custa R$153,90, então considero um bom negócio, ok.

BOM. Moving on. Na caixinha vem escrito “Jewel Lipstick”. E gente. É isso que esse batom é. Uma joia. (Tipo, fora a falta de pedras preciosas e quetais, claro.) Sério, eu não estou exagerando (aham, senta lá, Cláudia). Olha:

A foto é de divulgação, porque a que eu tirei não chega aos pés de mostrar essa beleza

A foto é de divulgação, porque a que eu tirei não chega aos pés de mostrar essa beleza

O batom em si é um caso à parte. A marca diz que tem “pigmentos de cor concentrados e madre pérola líquida, que juntos amaciam e alisam a superfície dos lábios”; “microesferas de ácido hialurônico”; vitamina A; e pó de rubi “para intensificar as tonalidades”. E ó, gente, sei lá, mas eu acredito. Porque é bem impressionante a textura dele: deixa a boca bem hidratada, mas tem muita cobertura. A cor aparece da primeira vez que você passa, e fica lá um bom tempo. E tem um brilho que não é cintilante, entendeu? É um brilho ryco.

Foco não é nosso forte, mas vamos lá

Foco não é nosso forte, mas vamos lá

A cor que eu escolhi foi a Giulette (todas são nomes de mulher que começam com G. Acho simpático). Porque é a preferida da Christine, me deixa ser tiete. Masss, se você clicar no link, vai ver que, nela, fica meio coral. Em mim fica bem rosa mesmo. Mas rosa chique, não rosa chiclete (minha cor favorita em batom, tá, tô falando mal, não).

*Só um adendo. Se você for comprar algo no Strawberry, vale lembrar que eles têm frete grátis. Como eu não tava a fim de me emocionar com “será que vai chegar”, paguei o mais caro, acho que uns 30 reais. Serião. Vale a pena: chegou em UMA SEMANA. Vindo lá de Hong Kong. Calcula, gente. Mas se você é mão fechada ou tá naquela época difícil do mês (da vida?), pode comprar com o grátis mesmo, que eu já testei e demora mais, mas chega feliz.

(Por Laura F.)

Quando a Sack’s anunciou, na semana passada, que ia começar a vender produtos Chanel, a louca em mim gritou: “pega logo esse cartão de crédito antes que acabe tudoooo!” (o que, aliás, aconteceu de fato, que depois eu quis o Eye Gloss e cadê. Enfim.). E, né, nesses momentos não adianta discutir; foi assim, depois de uma divisão em 493573 parcelas, que virei a feliz possuidora de um batom Chanel Rouge Coco, na cor Mademoiselle. E, pra aproveitar, encomendei também o Viva Glam da Cindy Lauper. O da Lady Gaga, infelizmente, já tinha esgotado. (Mas minhas fontes dizem que já tem carregamento novo por aí, dá uma checada nas lojas M.A.C. nos próximos dias.) Os dois chegaram hoje, cinco dias úteis depois (oi, Sack’s, você tinha dito três, confiança é uma coisa difícil de recuperar etc., vamos lembrar disso na próxima).

Daí eles chegaram, porque quem espera sempre alcança e tal

Fiquei um pouco surpresa por o Mademoiselle não ser tão rosa quanto eu imaginava, e o Viva Glam ser menos coral do que eu imaginava (#ficaadica de parar com a mania de comprar tudo online). Mas mesmo assim, são bem bonitos. Tirei fotos dos dois sem flash e com flash. Infelizmente, nenhuma delas captou a cor exata dos batons. Hahahaha, desculpaê, da próxima vez tentarei ser mais eficiente. Enquanto isso, imagina que a cor real é tipos uma mistura dessas duas luzes, vai.

Chanel Rouge Coco Mademoiselle

M.A.C. Viva Glam Cindy

Como ainda não usei, não dá para palpitar sobre a durabilidade, mas num teste rápido as duas coberturas me pareceram boas. O Rouge Coco é bem hidratante, e o Viva Glam, apesar de ter acabamento Lustre, tem bastante cor. No fim, no swatch, os dois ficaram bem parecidos:

O que vocês acham? São da mesma “família”, né?

(Por Laura F.)

P.S.: clicando no nome dos produtos, vai para a página deles na Sack’s. A cor Mademoiselle do Rouge Coco esgotou, mas sinceramente? Se voltasse atrás, escolheria o Gabrielle ou o Cambon, que também são tendencinha (Cameron Diaz e Sandra Bullock usaram esses no Oscar, respectivamente) e mais diferentinhos. E agora vi que o Cindy também esgotou. Cara, essas mulheres tão tudo lôca.


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 17 outros seguidores

Atualizações Twitter