Beleza exterior

Archive for outubro 2010

Eba, finalmente mais um tutorial pra vocês se divertirem quando quiserem um make de balada bem colorido. Porque com esse de hoje nem eu saio de dia, tá. Ele é bem chamativo, mas é maravilhoso.

Como sempre, eu usei várias sombras diferentes, de várias marcas diferentes também, mas você não precisa e nem deve se apegar a isso. Olha quais são os tons, vê na sua gavetinha ou passa na farmácia ou na perfumaria ou caça na internet e copia mesmo. Para os pincéis (os meus são M.A.C.) vale a mesmíssima coisa: adapte o que você tem aí (desde que não seja aquela esponjinha uó!).

E também sempre vale lembrar que se você não entender o que eu tô falando aqui no meio, a gente tem um dicionário maravilhoso (hahahahaha).

A estrela desse tutorial é o pigmento Teal, da M.A.C. Então, uma dica antes de mais nada: pigmentos e sombras soltas fazem sujeira. Então, você pode deixar pra fazer a pele depois ou colocar sempre um lencinho de papel abaixo do olho na hora de aplicar. Ou as duas coisas, hahahaha. Eu também já começo o make com primer (Urban Decay Primer Potion) na pálpebra – nesse caso, só para fixar melhor, porque a cor já é bem intensa. Vamos lá:

Começamos passando esse verde maravilhoso (pigmento Teal, da M.A.C.), com o pincel 252, de cerdas sintéticas, em toda a pálpebra móvel.

Depois, vamos usar o pincel 266, para passar a sombra Creep, um azul escuro com fundo grafite (?), da paleta Naked, da Urban Decay (vai ter post sobre ela, porque é maravilhosa!), no canto externo e côncavo. Nesse passo pode deixar marcado, não se preocupe com perfeição…

… Porque agora a gente vai pegar um pincel mais gordinho e fofinho (aqui, o 224), pra esfumar tuuuudo. Pode esfumar bastante, com vontade. Se achar que ficou sem cor, repete o passo anterior e esfuma de novo!

Hora do preto! Vamos usar um pincel tipo lápis (219) para passar sombra preta opaca (Carbon, M.A.C.) no “v” do canto externo, só pra dar uma profundidade bacana.

Pra iluminar, sombra um tom mais clara que sua pele (Virgin, Urban Decay), também opaca, no osso da sobrancelha e cantinho interno do olho (usei o pincel 275, mas só porque era o que estava limpo, pode usar qualquer um! Hahahaha)

Pra finalizar, curvex (Shu Uemura), lápis azul-marinho (Maybelline Liner Express) rente aos cílios inferiores e cantinho externo dos superiores e rímel (DiorShow Iconic). E pronto! (não reparem no borrãozinho de rímel no cantinho. Ops)

Make completa: a pele foi feita com base Teint Resist, Yves Saint-Laurent; pó Mineralize Skinfinish Natural, M.A.C., corretivo Studio Sculpt, M.A.C.,; blush Orgasm, Nars; iluminador Belightful, M.A.C. O batom é o Myth, da M.A.C.

E aí, meninas, gostaram? Será que dá pra se arriscar?

Se tem uma tendência de beleza que eu gosto, entre as várias que apareceram nas passarelas de verão 2011 nos últimos meses, é a dos batons coloridos e vibrantes. É uma tendência, aliás, que tem muito a ver com o nosso clima de estações quentes: cores neon, que sozinhas são suficientes pra alegrar uma produção. Pense num batom laranja, por exemplo, com um vestido branco, simples (que é a cara do verão, né). Ou com uma saia florida. Não é uma graça?

Marc Jacobs, Christian Dior e Prada (spring 2010)

Marc Jacobs, Christian Dior e Prada (spring 2010)

E o laranja parece que é mesmo uma das cores que mais vão dar o que falar na temporada. A Prada, sempre trend setter, já tinha usado no desfile de verão 2010, há um ano. E Marc Jacobs e Christian Dior foram alguns dos que repetiram na temporada 2011 (o último de um jeito bem passarela, combinando com sombra forte). Sei que é uma cor que amedronta várias meninas, pela ousadia, então reuni algumas referências para mostrar que ela pode ser usada, sim, por todas.

Ai, suas lindas!

Ai, suas lindas!

Scarlett Johansson já é maravilhosa sozinha, e não teve medo de colocar cor mesmo tendo bocão. Pode sim, viu? E o tom escolhido por ela dela é bem neon, fica maravilhoso para a noite, por exemplo (eu só não vestiria vermelho, porque aí já acho demais, mas compreendo). Já a igualmente maravilhosa January Jones optou por um tom mais coral, que ficou perfeito com delineador gatinho e vestido azul (uma das minhas combinações favoritas é azul + amarelo ou laranja, sabia?).

 

Mais lindas!

Mais lindas!

Jessica Biel e Beyoncé também apareceram com a cor, e provaram que o laranja é democrático e funciona em todos os tons de cabelo e pele – o da Beyoncé é mais voltado para o coral, e o da Jessica tem fundo avermelhado.

Para adotar a tendência, existem váaaaarias opções no mercado. Em todas as faixas de preço e “achabilidade”. Por isso, separei quatro que eu aprovo (três delas eu possuo – o que não tenho é o da Natura, mas sei por outras pessoas que é bem digno!):

1 – M.A.C. Morange Lipstick: o laranja mais laranja de todos, cobertura Amplified, ou seja, cheia de cor. É para as ousadas. R$69
2 – Yves Saint-Laurent Rouge Volupté, cor Orange Frisson: é um luxinho. A cor é maravilhosa, a cobertura é uma delícia e a embalagem é um caso de amor à parte. R$149,90
3 – Batom Duda Molinos, cor Bossa: um coral super usável e fofo, cobertura mate, que eu amo (tem swatch dele aqui). R$30 (em média!)
4 – Batom Natura Aquarela, cor 06. Opção boa e barata para aderir à tendência. R$13,60 (e, como esse eu ainda não testei, deixo aqui um link pra vocês verem resenha e fotos)

Fotos: Style.com; Divulgação; Loosho.com e Reprodução

Então, sábado estava eu de plantão até às 10 da noite, quando Camila liga e diz que vai pra balada no Studio SP à noite. Fiz uma reflexão rápida e me deparei com a seguinte questão: estava de cara lavada, com pouquíssimos itens de maquiagem para me salvar. Como lidar? Não podia passar, porque ia rolar show do Seu Chico, uma das bandas mais legais dos últimos tempos. Então juntei o que tinha na nécessaire (que aliás estava desfalcada desde esse post aqui, nem sombra tinha nela!), corri pro banheiro e dei um truque maravilhoso que vou ensinar pra vocês.

Esse era meu arsenal. Nada mais e nada menos. Um kit emergência.

Nessas horas, seu melhor amigo é o lápis preto. E você pode pensar: “ah, mas vai dar aquele trabalhão fazer um delineado e tal”. Mas aí é que está o truque: essa maquiagem é um “delineado borrado”. Ou seja: você faz um traço – nem muito grosso, nem muito fino, sem se preocupar se está reto ou simétrico. E, daí (como você vai estar sem pincel), passa o dedinho por cima e esfuma. Literalmente borra o traço. Fica toda uma coisa rock’n’roll. Olha como eu me virei assim, com esse truque e mais várias camadas de rímel:

Até que deu pra passar, né? (Ignorem a foto no escuro da redação deserta no sábado à noite)

Não é pra ficar perfeito, não, viu? Pra completar, fui de Studio Fix, como sempre, corretivo Studio Finish, blush em creme (Dixie, Illamasqua), iluminador (HighBeam, Benefit, que estava jogado por aí) e batom nude-rosado (o Hue, queridinho de sempre).

Nunca mais consegui ser uma pessoa que usa cores e combinações normais de esmalte na vida – o clássico rendinha, por exemplo, nunca mais passou perto das minhas unhas. Mas como ‘normal’ é um conceito muito relativo e tal, eu nem ligo. E então tomei coragem pra mudar mais um pouco e usar duas cores de esmalte de uma vez só.

Os esmaltes da semana não são novidade na esmaltolândia – usei a cor 206, da Hits (um verde-água que foi lançado no começo do ano, mas tem tudo a ver com a vibe atrasada pastel da temporada) e, no anelar, o Impala Cromo Special prata (que estava jogado lá no fundo da caixinha de esmaltes há alguns meses). A Laurinha, esperta e cheia de boas ideias como sempre, fez um teste ótimo com esmaltes prateados. Clica pra ver.

Achei que o visual ficou delicado e diferente. Claro que umas cinqüenta pessoas me perguntaram se eu tinha passado o esmalte errado no anelar, acharam que era efeito da luz ou que tinha descascado e eu resolvi passar o primeiro esmalte que vi na frente pra disfarçar. Mas ok, gente, a vida é assim mesmo.  ¬¬

O 206 da Hits é ralinho, e pra cor aparecer e cobrir bem, a manicure teve de passar três camadas. Já o Impala Cromo cobre logo de primeira, só que fica riscado, sabe como? Daria uma pontinha da unha do dedo mindinho pra ele ficar uniforme, mas não fica não – dizem que só passando um perolado por cima. Mesmo assim, achei lindinho e usarei outras vezes. Se você, como eu, cansou do ‘mais do mesmo’, mas também não tem assim aquela coragem pra sair de casa com uma unha de cada cor, esse é um bom começo. Medo de não gostar da experiência? Liga não, algodão e acetona resolvem rapidinho!

Esse post é sobre um tipo de assunto bem popular pelos blogs afora, que é: o que tem dentro da sua (no caso, minha) nécessaire. Eu particularmente acho divertido esse tipo de post porque primeiro, alimenta o voyeurismo inocente nosso de cada dia; segundo, os produtos podem servir como dica; e terceiro, de uma certa forma, o que a gente carrega reflete nossa personalidade, né? Se você é mais básica carrega menos produtos, se é mais baladeira, talvez tenha uma sombra preta ou um glitter, se é mais extrovertida, um batom forte, e por aí vai…

Então, vamos lá, ver o que eu carrego na minha necéssaire enorme (que fica dentro de uma bolsa mais enorme ainda!)

Antes de mais nada: essa nécessaire tchutchuca é La Reina Madre, a marca de bolsas mais maravilhosa do país. (momento propaganda on, mas me deixa, eu amo essas bolsas, gente, compro lá há anos e anos, vai lá, vai lá.)

Eu me maquio em carros, táxis, ônibus, metrôs, banheiros de trabalho… Já contei isso, né? Então, carrego na nécessaire tudo o que preciso pra um make básico dia a dia. Mas meio que só. Se quero algo mais elaborado aí não tem jeito, faço em casa e só retoco mesmo. Numerei a foto e vou contar em tópicos, pra ficar mais fácil.

1-    Lápis bege Duda Molinos e lápis preto Zero, Urban Decay. O bege é o de todos os dias, vocês sabem, usa na linha d’água pra ficar com o olho acordadinho, lembra? E o preto é só pra emergências: se tem uma baladinha depois do trabalho, passo ele como delineador, esfumo e vou (já preparei post sobre isso, rá, diligência é meu middle name);
2-    Primer Potion Urban Decay, pra segurar a sombra o dia todo!;
3-    Rímel transparente Vult, pra fixar a sobrancelha, e rímel Avon Supershock;
4-    Blush Fleur Power, M.A.C. (mas varia, cada hora é um! Depende do look do dia! Nécessaire tem que arrumar à noite, que nem bolsa de escola, sabe? hahaha)
5-    Paleta de 4 sombras M.A.C. – as que ficam aí também variam. A única que não sai é a Espresso, a marrom, que é usada pra preencher a sobrancelha. E sempre tem uma iluminadora também, que dessa vez é a Ricepaper;
6-    Pincéis (que ficam dentro desse negocinho de plástico pra não deformar!) – são só três: blush, 129SE da M.A.C., SS217, da Sigma (veio de brinde e é pequenininho, uso pra aplicar sombra e esfumar!) e chanfrado pra sobrancelha;
7-    Studio Fix, da M.A.C., a base mais prática do Brasil (a Fabi falou dela aqui);
8-   Blot Pressed Powder, M.A.C. É um pó matificante, que eu uso durante o dia quando a pele começa a brilhar; mesma função das folhinhas Clean &Clear (11);
9-    Corretivo Studio Sculpt (também pode ser o Studio Finish);
10-    Iluminador High Beam, miniaturinha, que só uso na verdade também se for rolar uma baladinha;
12-    Perfume roll-on Kiehl’s. Só uma frescurinha pro dia em que eu esquecer por acaso de passer perfume antes de sair de casa;
13-    Lixas Marco Boni, para emergência (são boas por causa dessa “caixinha”, que não deixa elas lixarem o resto das coisas da sua bolsa);
14-    Batons. Geralmente tem um mais colorido (nesse caso o Coral Polyp, M.A.C.) e um mais neutro, quase sempre o Hue, também M.A.C. – que vocês podem perceber pelo cotoquinho que ele está que é um dos meus preferidos

Esse é meu kit diário. Semana que vem, a Fabi vai postar a dela – e preparem-se, porque eu ainda não vi, mas aposto que é ainda maior! Hahahaha

E vocês, carregam o quê?

Viu, gente, eu falei que ia ser uma série. Pelo menos até acabarem minhas entrevistadas. Hahahaha. Eu entrevistei a Paula para a mesma matéria que a Camila Coutinho, e ela é, com certeza, uma das pessoas mais fofas e atenciosas que já vi por aí. E o blog é a cara dela, reflexo de gostos ecléticos, mas sempre sofisticados. Neste ano, ela começou ainda um outro blog, cheio de coragem, o Crônicas da Surdez, para contar como é a vida dela tendo problemas de audição.E dá pra ver pelos depoimentos que anda ajudando muita gente por aí, viu.

A ideia de publicar essas entrevistas na íntegra é entender um pouco das opiniões dessas meninas bem-sucedidas, que sabem tudo de moda, beleza e blogs. Então, espero que vocês aproveitem. Dá pra pescar, na entrevista, várias dicas. Me digam o que acharam!

Quando você começou o blog? Por quê?
Comecei no início de 2007. O blog tem arquivos a partir de agosto de 2007, mas comecei muito antes – só que deletei vááários posts dessa época porque eram pessoais demais. Comecei sem pretensão nenhuma, só queria um espacinho virtual pra publicar os meus ‘achismos’ a respeito das coisas.

Você já tinha esse interesse em moda antes do blog? Como foram os primeiros retornos que recebeu depois de começar a produzir conteúdo?
Sempre gostei de moda e tive olhar crítico. Aos 15 anos dava uma fugida do colégio na hora do recreio só pra comprar a “Seventeen”, que eu amava e traduzia inteira para dar um upgrade no meu inglês. Depois de um tempo blogando foi muito lisonjeiro receber emails e comentários de pessoas que eu admirava dizendo que adoravam meus posts! Até hoje acho isso surreal! Com o crescimento do Sweetest, o retorno mais bacana foi grandes marcas apostarem no blog para mostrar suas coleções e fazer promoções para as leitoras. Marcas como Drosófila, Equus, Lança Perfume, Damyller, Studio TMLS, Miezko, Diarium, Maria.Valentina e muuuitas outras – inclusive estrangeiras.

Hoje, como é sua rotina? Considera o blog um “trabalho”, ou ele continua sendo um hobby?
Tenho o trabalho da vida real, que consome 8 horas diárias. À noite, dedico algumas horas para responder emails, aprovar comentários, pesquisar e montar posts e navegar pela internet. O blog é, basicamente, um segundo trabalho. Requer muita dedicação – a meta é postar uma vez ao dia.

Você mora numa cidade que fica longe do “eixo da moda”, Rio e São Paulo. Isso atrapalha ou influencia de alguma maneira?
Na verdade, acho que facilita bastante. É bom poder ter um olhar ‘de fora’. Desse modo, não fico condicionada ao mesmo pensamento nem tenho o mesmo foco de quem vive no ‘eixo da moda’. Ao mesmo tempo, com a internet, ninguém fica limitado por causa de geografia ou distâncias – a gente vive a um clique de qualquer lugar do mundo, ou seja, as barreiras não existem!

Qual o espaço dedicado no seu blog à moda mais “regional”, marcas menos conhecidas, do estado etc.?
Adoro descobrir marcas novas, especialmente as pequenas, que com um empurrãozinho têm tudo para deslanchar. Quando descubro alguma que me agrada, coloco no Sweetest com o maior prazer! Adoro sair do lugar-comum.

Como acha que está a produção de moda fora de Rio e São Paulo, e especificamente no Rio Grande do Sul, onde você mora?
Em Minas e no Ceará, fortíssima. Há uma infinidade de marcas maravilhosas nesses Estados que, infelizmente, não têm budget irrestrito para gastar com divulgação. Por isso, nem sempre ficamos sabendo da sua existência, é preciso pesquisar!

As cores candy – aquelas bem coloridas, que lembram cores da infância, meio em tom pastel, sabem como? – estão super em alta, já faz algum tempo. E tudo o que anda muito em alta, a gente já sabe logo: vai acabar nas unhas.

Então, eu aproveitei que essa é uma moda que, em termos de beleza eu gosto bastante (mais do que em moda, pra falar beeeem a verdade), e fiz uma pequenina seleção entre os meus vidros dos esmaltes que eu acho que dá pra adotar sem medo de ser criança feliz.

Eu pintei assim, lindo, um em cada unha, e sabe? Vou dizer que até gostei. Sairia assim na rua fácil, não fosse o fato de que fui eu mesma que fiz (cê jura, tá tão bem pintado!) e minha incrível habilidade me impede de fazer o mesmo na mão direita, fato que me obrigou a passar acetona em tudo tão logo terminei as fotos.

Os esmaltes que eu usei foram:

Da esquerda para a direita:
1- Encanto, Eliana. É um lavanda lindinho, uma das minhas cores favoritas. Bem cremoso e só ligeiramente chato de passar (a primeira vez que usei fez várias bolhinhas, mas isso a gente sabe que depende do dia e da pessoa, né?)
2- Cigarrette, Risqué, coleção Pop 4 You. Ele é fosco, mas eu passei um extrabrilho pra ornar com as outras unhas. Gostei especialmente porque ele seca bem rápido e bom, azul é sempre fofura.
3- Blow, Illamasqua. Amarelo pastel é vida, é amor, é carinho e afeição na ponta dos dedos, meu Brasil. Agora, se vocês querem a verdade sobre o preço e a cobertura dele, revisitem este post. Sem mais.
4- Água de Coco, Hits Specialittá. O mais legal é que eu simplesmente não sei se esse esmalte é verde-limão ou amarelo. Hahahahaha. Ficou manchadinho, mas vai saber se isso é culpa minha ou do esmalte, né. O importante é que a cor é sensacional e tudo o mais.
5- Gaivota, Impala. Cor de mulher fina, tipo um laranjinha-apagadinho-ligeiramente-terroso. Mas é muito, muito lindinha. Nunca usei na mão inteira porque tenho 80 vidros de esmalte, mas pretendo assim que tiver um compromisso que exija de mim seriedade e glamour ao mesmo tempo (ou seja, provavelmente nunca, porque seriedade? Não trabalhamos).
6- Essa é a base fortificante + extrabrilho que eu uso, a Double Duty, da Sally Hansen. É cara (não lembro quanto tenho alzheimer, mas comprei na Audrey, na Liberdade), mas tá só na metade, e eu uso só ela há um ano.

Essas são minhas indicações. E vocês, pretendem adotar algumas dessas cores nhami pro verão?


Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Junte-se a 17 outros seguidores

Atualizações Twitter